Luz Para Todos: faltam 8 mil ligações (Governo assina OS de 40 milhões)

43 mil ligações já foram feitas.

Faltam 8 mil na zona rural, segundo EletrobrasAC.

Investimentos são de 40 milhões.

Ou seja, hoje o Acre não é mais uma escuridão.

Editoria: oestadoacre.com

 

AgGov
Samuel Bryan

O governador Tião Viana se reuniu nesta segunda-feira, 3, na Casa Civil, com representantes da Eletrobras e empresas empreiteiras para lançar a nova etapa do programa Luz Para Todos no Acre.

As ordens de serviço foram assinadas e devem ser cumpridas num prazo de 18 meses, beneficiando cerca de 30 mil pessoas da área rural, num investimento de cerca de R$ 40 milhões.

O Luz Para Todos é um projeto do governo federal, executado pela Eletrobras, em parceria com o governo do Estado. “Eu quero ressaltar a função social de um investimento desses. A simbologia de ter uma geladeira, a luz para um filho estudar à noite, só quem escuta essas histórias sabe o que o Luz Para Todos significa. Sem energia não há como pensar em desenvolvimento”, disse Tião Viana.

As ordens de serviço foram assinadas e devem ser cumpridos num prazo de 18 meses (Foto: Sérgio Vale/Secom)

Durante sua trajetória iniciada no governo do presidente Lula e fortalecida na gestão de Dilma Rousseff, o Luz Para Todos já possibilitou 43 mil instalações no Acre.

Segundo levantamento da Eletrobras, ainda faltam oito mil. “A energia traz conforto, condições de produção e melhora a vida das pessoas diretamente. Estamos retomando o Luz Para Todos para mais três mil famílias no Acre. Ano que vem, serão licitadas as outras cinco mil”, ressaltou Luiz Armando Crestana, diretor-presidente da Eletrobras Distribuição Acre.

Entre as empresas envolvidas nas obras do Luz Para Todos por meio de licitação, estão Construtora Nhambiquaras, Sol Engenharia, OM Engenharia, Etenge Engenharia e Ribeiro e Torres.

O presidente da Federação das Indústrias, José Adriano Ribeiro, reforçou: “As obras são muito importantes para a população rural do Estado. Agora, com as ordens assinadas, as empresas têm 10 dias para começar a mobilização, e nos esforçaremos para aproveitar o verão amazônico”.