Coworkings: Escritórios compartilhados buscam saída para a crise

Coworkingesccompart

Divulgação

escritórios compartilhado
Breno Caires, idealizador do ‘vem pro coworking’

Coworkings de todo o país se unem para enfrentar o momento de crise

Mais de 300 Coworkings de todas as capitais do país se uniram em busca de um fortalecimento para o setor, algo que não se viu em nenhum outro segmento. Além disso, esse mercado tem procurado aparecer cada vez mais para que as pessoas o conheçam e, mais do que isso, saibam que os escritórios compartilhados trazem muito mais do que economia para a empresa.

O principal conceito de um coworking é o compartilhamento seja de ideias ou experiências por meio da convivência com diferentes pessoas, sendo assim, é o local perfeito para quem procura formas de crescimento para seu negócio, networking, facilidades para gerenciar a sua empresa e até mesmo para quem está iniciando no mundo do empreendedorismo.

Com a pandemia esse setor foi diretamente afetado já que as pessoas não podiam frequentar esses lugares por causa do distanciamento social, isso enfraqueceu o segmento que se viu sem saídas diante do problema. Com isso, muitos desses escritórios tiveram que fechar suas portas para sempre ou frear seus planos de expansão.

Isso levou o setor a pensar em alternativas para sobreviver em meio à crise e se unir para fortalecer o segmento em conjunto. Donos de Coworkings de todo o país começaram a trocar experiências e, assim, compartilhar o que têm de melhor por meio de grupos no aplicativo WhatsApp, reuniões de mentoria e reuniões de troca de informações.

Com isso nasceu o movimento “Vem pro Coworking” que criou um site para que Coworkings de todo o Brasil se cadastrem e, assim, sejam encontrados facilmente por pessoas que estão à procura desses escritórios e as empresas, além de conseguirem encontrar os espaços de sua cidade, também, têm a oportunidade de ver de forma real quanto gastariam se optassem por esse formato de trabalho, com a ajuda da calculadora virtual.

Para Breno Caires um dos idealizadores do movimento e que atua no mercado de Coworkings há 10 anos, o momento atual é de se preparar para o crescimento do setor e o projeto veio para ser uma ferramenta de suporte. “Nós queremos que as pessoas conheçam os Coworkings não só como um lugar para economizar, mas sim um lugar de gente inteligente, para quem quer flexibilidade e a facilidade que esses lugares trazem, entre outros fatores. Com a pandemia os colaboradores perceberam que não precisam estar no escritório o tempo todo e o Coworking pode vir como um auxílio para as organizações”, finaliza.