Nassif: Bolsonaro perde apoio: Trump, a máfia de Las Vegas e das armas

apoiobolsonassif

oestadoacre reproduz texto de Nassif sobre a perda de apoio de Bolsonaro com a saída de Donaldo y otras cositas más.

As maluquices diplomáticas dos Bolsonaro, como transferir a embaixada brasileira de Israel para Jerusalem, foram influência direta de Adelson, ele próprio financiando a mudança da embaixada americana para lá.

bolso

Bolsonaro perde 3 apoios internacionais: Trump, a máfia de Las Vegas e das armas

 

O isolamento dos Bolsonaro não se deve apenas ao fim do mandato de Donald Trump na presidência dos Estados Unidos.

Nos últimos dias desapareceram dois pilares da sustentação da ultradireita mundial, como financiadores do guru Steve Bannon e também como pioneiros do uso das redes sociais nas batalhas de ideias.

Um deles foi Sheldon Adelson, dono do poderoso lobby dos cassinos de Las Vegas,. Adelson tinha ligações estreitas com Trump e com o primeiro ministro de Israel Benjamin Netanyahu. Desde os episódios da GTech – os cassinos de Las Vegas que entraram na Caixa Econômica Federal, ainda no governo Itamar – o Brasil é alvo dos cassinos, estritamente ligados aos bicheiros e exploradores de bingos.

No primeiro encontro com Trump, Bolsonaro foi aconselhado a procurar Adelson. Os contatos seguintes foram feitos pelo representante comercial da família, Flávio Bolsonaro, e pelo presidente da Embratur.

As maluquices diplomáticas dos Bolsonaro, como transferir a embaixada brasileira de Israel para Jerusalem, foram influência direta de Adelson, ele próprio financiando a mudança da embaixada americana para lá.

Adelson faleceu na semana passada.

A segunda perda de Bolsonaro foi o fim, de fato, da poderosa Associação Nacional de Rifle (NRA) dos Estados Unidos.

A NRA foi  das primeiras associações a utilizarem intensamente o Youtube e as redes sociais. Sua desgraça começou após uma campanha barulhenta contra a mídia americana, lançada poucos dias antes de um tiroteio na Flórida que vitimou alunos de uma escola

Houve uma campanha de movimentos contra os financiadores da NRA, fazendo com que fosse abandonada por vários financiadores. A resposta da associação foi considerada desastrosa. Desamparada nos EUA, segundo reportagem da Bloomberg na época, sua esperança passou a se concentrar no Brasil e na Austrália, graças à ascensão dos Bolsonaro.

Dias atrás, a NRA solicitou formalmente sua falência e mudança de Nova York para o Texas.

Havia pontos em comum entre a máfia dos cassinos de Los Angeles e a NRA.

O primeiro, o fato de atuarem em setores limítrofes da legalidade. O jogo é coibido por qualquer legislação moderna, pelos impactos na saúde pública e por ser instrumento de lavagem de dinheiro. A industria de armas sofre, também, várias restrições, devido a questões de segurança.

O segundo ponto é que os dois setores sempre utilizaram intensamente as redes sociais, a NRA estimulando clubes de atiradores, os cassinos explorando o jogo online.

Ambos entenderam o potencial das redes para as disputas eleitorais e passaram a bancar candidatos de ultradireita, comprometidos com a completa desregulação dos estados nacionais. São os regulamentos que impedem o avanço desses setores.

Tornaram-se, então, os principais financiadores de Steve Bannon e dos candidatos de ultradireita espalhados por vários países.

Aqui, reportagens do GGN sobre o tema:

Xadrez da indústria de armas e o financiamento da direita.

Xadrez da indústria das armas e a era dos grandes assaltos.

A indústria das armas no México

Xadrez de como os cassinos financiaram a ultradireita e negociam com os Bolsonaro

Jair vai aos EUA fechar acordo dos cassinos que o filho começou