Crônica de Dandão: Vacinação tardia

cronicadandão

vacinação

Francisco Dandão

dandãoNo começo dessa semana, meu amigo Zacarias Fernandes, maestro acreano há muitos anos radicado em Manaus, enviou para mim, por mensagem de WhatsApp, uma fotografia dele tomando a primeira dose da vacina contra o vírus maldito. Um sorriso enorme adornava a face do Zaca.

Como o Zacarias recém chegou aos 60 anos, fiz um gracejo perguntando-lhe se ele havia furado a fila da vacinação. Em princípio, não entendendo que eu estava de gozação, ele tratou de explicar, tintim por tintim, dizendo que a imunização anda célere em terras amazonenses.

Verdade. Depois da crise de falta de oxigênio que se abateu sobre o Amazonas, as autoridades públicas se apressaram a vacinar a população. O resultado disso é que, diferente de todas as outras unidades da federação, por aquelas bandas já são vacinadas pessoas na casa dos 50 e poucos anos.

E a consequência direta dessa tomada de providências é que os números já demonstram uma queda significativa da quantidade de pessoas infectadas, tanto na capital quanto no interior do estado referido. É claro que ainda falta muito por ser feito por lá, mas o caminho está sendo percorrido.

Desde sempre, por uma só voz, os infectologistas do mundo inteiro garantiram que a única forma de vencer a pandemia era a vacinação em massa. E o modo de diminuir a transmissão do vírus, enquanto a vacina não chega, é o uso de máscaras, a higienização das mãos e o isolamento social.

Fico pensando nisso e imaginando quantas mortes poderiam ter sido evitadas no Brasil se os negacionistas da Republica tivessem admitido há um ano que a ciência estava com a razão, ao invés de resistir em comprar vacinas, insistir em não usar máscaras e teimar em promover aglomerações.

A propósito, agora falando especificamente de futebol, li no jornal O Estado de São Paulo, edição de quinta-feira (dia 25) que os profissionais desse esporte que atuam no Oriente Médio (Catar, Arábia Saudita, Israel, Bahrein e Emirados Árabes Unidos) já começaram a tomar as suas vacinas.

Nesses países, como preconiza a Organização Mundial da Saúde, a imunização começou também pelos grupos prioritários. A vacinação, portanto, de profissionais de futebol, significa que o processo por lá está caminhando a passos acelerados. Em breve, todos deverão estar vacinados.

Enquanto isso, no nosso glorioso país tropical, bonito por natureza etc. e tal, a discussão, no que refere ao futebol, é se as competições param ou continuam. É de lascar. Não dá para seguir caminhando e cantando. Inclusive porque, como dizia Vandré, “quem sabe faz a hora, não espera acontecer.”

Francisco Dandão (poeta, escritor, professor e jornalista)