FecomércioAC: A crise tá na nossa cabeça…Fim de ano bombou

 

By Maria Lúcia

Antes deste post fui conferir as anteriores preocupações e declarações da entidade do comércio acreano.

O chefe havia me alertado.

É, eu também, escrevo acreano, com e.

Quero distância de Acriano.

Voltando ao assunto:

A Fecomércio chegou a duvidar até que os servidores públicos receberiam o 13º.

Agora a sua própria pesquisa reconhece: a crise tá – ou tava – somente na cabeça da própria FecomércioAC.

Envenenada, claro, pelo noticiário que torcia por uma tragédia na economia.

O Natal vendeu bem (65%, 65%) e o fim de ano bombou!.

E o Brasil não acabou.

Ah, surgiu agora (SA): como um estado onde a base da sociedade está no serviço público, recebe salários, que não atrasam, etc etc…pode pensar em crise?

Paranoia?

Síndrome de Estocolmo?

 

fecomercioac

 

FecomércioAC

Segundo pesquisa da Fecomércio/AC, 65% dos rio-branquenses presentearam no Natal 2015

Com o objetivo de avaliar os resultados de gastos e consumos durante o Natal 2015, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Acre (Fecomércio/AC), em parceria com o Instituto Fecomércio de Pesquisas Empresariais do Acre (Ifepac), realizou, entre os últimos dias 7 e 8 de janeiro, um estudo junto a 435 consumidores da capital acreana. Dentre um dos resultados registrados, a instituição constatou que 65% dos rio-branquenses presentearam no período natalino.

Dos 35% dos entrevistados que consumiram alegam situação financeira incompatível, e 13% afirmam, ainda, não ter o hábito. Além disso, segundo o estudo, 45% dos consumidores gastaram menos no Natal de 2015, caso se compare os gastos com o mesmo período de 2014.

Ainda de acordo com a pesquisa, 27% da população consumidora desembolsou entre R$ 100 e R$ 200; 25% realizou gastos entre R$ 200 e R$ 400. Além disso, o levantamento aponta que 75% dos clientes realizaram os correspondentes pagamentos na modalidade à vista – em dinheiro ou cartão de débito. Outros 21% optaram por pagamentos parcelados e sem juros, sendo que apenas 3% realizaram as compras com a incidência de acréscimos no preço original do produto.

O estudo revela também que 83% dos consumidores não atingiram seus limites de crédito, haja vista que o salário extraordinário de dezembro se apresentou suficiente para as compras necessárias. Dos 17% que usaram limites de crédito, 53% recorreram ao limite, e 24%, ao cheque especial.

A pesquisa conclui que, à exceção de 28% dos consumidores que não recebem o 13º salário, mais da metade dos 65% que realizaram gastos com presentes natalinos usaram este ganho para o pagamento. Daqueles que não usaram o 13º salário, 36% utilizaram no pagamento de dívidas.