Do Uruguai, gostei; da Argentina, amei!

 

J R Braña B.
De Buenos Aires

argentina8casa rosada

(Fotos: show no bar Esquina Homero Manzi e Casa Rosada)

 

Os clichês eternos da Argentina são o tango e a garra no futebol.

Mas há muito mais no país dos hermanos que as marcas registradas que conhecemos no Brasil.

É certo que o país está dividido, como o nosso.

Aqui se é Macri (PSDB) ou se é Kirchner (PT), digamos assim.

A realidade: o litro de gasolina custa 16,45 pesos ou 5,48 reais.

Mais caro que em Rio Branco.

E a Argentina, como o Brasil, também tem produção de petróleo.

O problema é que o preço dessa commodities (mercadoria) é definida fora da Argentina e do Brasil.

Um chop aqui em Buenos, num bar qualquer da Avenida Mayo (engraçadíssimo a pronúncia mayo…eles dizem ‘maxo’) você paga 59 pesos ou 19,6 reais.

O bilhete do Metrô está em 4 reais e a passagem nos coletivos 3 reais e poucos.

Detalhe: tanto em Buenos Aires como em Montevidéu, na maioria dos ônibus –  não há cobradores.

O próprio motorista recebe o pagamento e entrega um comprovante.

Na Argentina ainda tem o senão de que o passageiro tem que carregar um cartão, pois não é aceito pagar o transporte público com notas ou moedas.

Tudo na tarjeta de plástico que você compra num Kiosco Sube.

Mais prático e seguro, claro.

Ah… nos ônibus não existem a pré-histórica roleta que existe em Rio Branco para evitar que o esperto passe sem pagar.

Aqui quem se atreve a fazer isso é posto para fora na próxima parada por um fiscal.

Vimos – eu e Deyse Maria – um caso desses no Uruguai.

E uma coisa que Rio Branco deveria copiar….: as pessoas fazem fila para entrar nos coletivos…

No terminal da nossa capital os velhinhos são pisoteados pelos marmanjos e pelas marmanjas que não respeitam ninguém.

argentina1 argentina4 argentina6

(Placa em homenagem aos combatentes da Malvinas, em frente à Casa Rosada; trabalhadores argentinos e ministro da economia no Clarin)

 

Politicamente a direita venceu as eleições para presidente.

Maurício Macri é o novo chefe de estado.

Seu ministro da Economia, Prat-Gay, declarou dias atrás em Davos, que o país está de portas escancaradas para receber as orientações do FMI.

Todos nós do Brasil sabemos o que isso significa.

Arrocho em cima do povo e aumento da miséria.

Os pacotes do FMI são sempre no sentido de favorecer a banca e lascar a vida da maioria com a história de equilíbrio das contas públicas e essas baboseiras que a TV brasileira – e a daqui – fala todo dia.

Porém, os argentinos não estão parados: diariamente em frente à Casa Rosada há manifestações contra Macri, que está há dois meses no governo.

Os argentinos que não votaram nele sabem para  o que ele veio…

Nas ruas a disputa política é acirrada.

Vi uma:

O motorista de uma van que nos levava a um show recebe um buzinaço de um taxista…e reage, sem razão:

-?Qué pasa tarado? ?Estás apurado? Su Gobierno ya no está… ahora tenés que respetar las cosas como son…etc..

Veja só: o motorista que levava eu e Deyse Maria estava errado na manobra que fez, porém resolveu contra atacar o taxista o acusando de ser um ex-oficialista, defensor da ex-presidenta Chistina Kirchner e seu governo.

Aos gritos!

Eu fiquei olhando e lembrando…pois isso está ocorrendo no Brasil com os coxinhas e trolls, especialmente em São Paulo.

Outros reclamam dos subsídios que o estado paga aos mais pobres.

É um horror como age a direita na Argentina e no Brasil também.

Eles querem tudo para eles.

Não aceitam a inclusão.

Não aceitam a divisão.

Nem o desenvolvimento para todos.

Querem um país para alguns.

argentina3argentina2argentina7argentina5argentina10argentina9

(Café Tortoni, mais antigo bar; Igreja que Francisco trabalhava, Calle Domingo Peron, Obelisco e Mafalda)

 

Bem…mas a Argentina não é só guerra política e guerra entre o River e o Boca.

No jogo de ontem (sábado) o Boca aprontou mais uma vez e o salseiro comeu forte dentro de campo em Mar del Plata.

O River venceu, claro.

Buenos Aires é uma cidade com vida intensa.

Pulsante.

Vibrante.

Bela.

Chiquérrima, diriam os colunistas sociais da mídia do Acre.

Seus prédios clássicos fazem os argentinos dizerem orgulhosos que a cidade parece com Paris…E parece mesmo!

Algumas ruas no centro, onde acontece tudo, são como se você estivesse na capital francesa.

A 9 de Julho é a avenida mais larga do mundo, os argentinos dizem isso para todo turista.

A via é impressionante.

Arborizada, como quase todas as ruas em Buenos Aires.

Com uns cinco mini terminais de acesso aos coletivos, fora as entradas para o Subte (metrô).

O obelisco parece mágico.

Imponente.

É o sítio das comemorações grandiosas da Argentina.

Bife de Chorizo e empanadas são como banana no Acre ou farinha em Cruzeiro do Sul.

Pessoalmente gostei mais do Bife de Chorizo uruguaio.

Mais bem feito.

As carnes, no entanto, são completamente macias.

O perigo de quebrar um dente é ‘chiquito’.

No país de Homero Manzi, Piazola, Mafalda, Guevara e o Papa Francisco a emoção é que conta.

Não há como não se emocionar em Buenos Aires.

Basta uma noite.

Basta uma tarde pela Recoleta dos endinheirados ou uma manhã pela Boca dos paupérrimos.

Tudo é sentimento.

Buenos Aires tem muito mais que a arrogância dos argentinos mal educados.

Buenos Aires tem amor flutuando pelo ar.

Das cidades que conheci até hoje é a que mais me impressionou.

Voltarei (emos).

casa rosada

 

 

J R Braña B.