Ao Jorge e ao Tião: não é fácil perder um pai

(Foto 1: durante lançamento de uma revista do senador JV)

(Foto 2: Wildy Viana importou para o Acre os primeiros alevinos de tambaqui)


Conheci ainda menino no principado de Sena Madureira o seu Wildy Viana.

Presenciei algumas vezes ele conversando com o meu pai sobre política e especialmente durante as campanhas.

Fui com a minha mulher ao velário do seu Wildy no Palácio Rio Branco.

Tenho problemas com velórios…vou por respeito e consideração às pessoas que gostamos.

A gente nunca sabe o que dizer aos familiares.

Mas digo aqui e agora ao Jorge e ao Tião:

Não é fácil perder um pai.

A ficha não cai no primeiro nem no segundo dia.

Por mais idade que o pai da gente já tenha (o meu morreu novo…aos 70)

O sofrimento vem em gotas…

Dilacerando o coração.

Porém é a vida e sua batida incontrolável…

J R Braña B.