Crônica do Dandão (Estilo de vida)

#crônicadandão

estilo

Estilo de vida

 

Por Francisco Dandão

dandãoEu não diria que sou um viciado das infovias, incluído aí as redes sociais e demais acessórios. Mas é certo que passo boas horas dos meus dias navegando na rede mundial de computadores. Navegando e tentando me desviar das notícias falsas. Operação complicada essa de separar joio e trigo.

Tenho a convicção de que se pode encontrar muita coisa interessante nos milhões de sites à disposição. Desde coisa séria, como a história de um ministro que ostenta um currículo recheado de falsas informações, até as maiores banalidades, como a história do papagaio que xinga ditadores.

A história do currículo falso só é séria porque envolve um sujeito escolhido para ser titular de um ministério. Mas até parece piada. Como assim? A criatura cursa algumas disciplinas, não tem a tese aprovada, e sai por aí se dizendo doutor? Molezinha, né? Não fosse trágico, seria cômico.

Quanto à história do papagaio que xinga ditadores, é o que se diz de um bicho dessa espécie, cujo dono era o primeiro ministro inglês Winston Churchill, isso no tempo da Segunda Guerra Mundial. Segundo consta na internet, longevo, até hoje o danado esculhamba com o bigodinho do Adolf.

Mas a história que eu vi nas infovias que inspira essas mal traçadas de hoje vem da América, os Estados Unidos de todos os credos, cultos e raças (sim, raças, apesar de não se saber bem por lá se “vidas negras importam”). E tem como protagonista um ex-ídolo do esporte: o cascudo Mike Tyson.

Trata-se da última proeza do ex-boxeador que, por sinal, já avisou que, aos 53 anos, pretende voltar aos ringues. A proeza da criatura, essa que eu vi na minha navegação diária, é a de que ele é dono de uma plantação de maconha e que, pra manter a forma, fuma 40 mil dólares do produto por mês.

Não sei há quanto tempo o senhor Tyson consome a referida erva, mas o que me veio à cabeça (ôpa!) imediatamente, ao saber da insólita notícia, foi aquela noite do ano de 1997 em que ele (o maconheiro), em pleno combate, tascou uma mordida na orelha do adversário Evander Holyfield.

Vocês, mais velhos, lembram disso? Era véspera de São Pedro, 28 de junho de 1997. Transcorria o terceiro round dos 12 previstos para a luta. Holyfield nitidamente levava a melhor sobre Tyson. Este, acostumado a derrubar os adversários rapidamente, partiu pra ignorância e fez o que fez.

Como eu disse, a minha memória migrou para 1997 quando eu li que o Tyson gasta muitos dólares fumando maconha no presente. E embora os defensores da cannabis garantam que a dita cuja não deixa ninguém doidão, eu acho que sempre existe a possibilidade da erva estar estragada… Ou não?

[Francisco Pinheiro Dandão, acreano, mora Fortaleza (CE) desde 2015.]

Mais crônica do Dandão aqui

Acione o sininho abaixo e receba as notificações de oestadoacre no seu celular ou desktop


petecão