Após 500 dias Aleac retoma sessão presencial

#aleac

divulgaçãoaleac

aleac
Dep e presidente da Aleac. Nicolau Jr..

Após mais de 500 dias sem sessões presenciais, Nicolau Júnior homenageia servidores da Aleac que morreram vítimas da pandemia

Esta terça-feira, 10, marca um momento importante para o parlamento estadual. Depois de 511 dias, a Assembleia Legislativa do Estado do Acre (Aleac) retornou com as sessões presenciais. Apesar de ser um momento que representa mais um exemplo de superação da pandemia da Covid-19, foi também um momento de homenagem e saudade.

O presidente da Aleac, deputado Nicolau Júnior, fez questão de lembrar os servidores que perderam a vida por causa da doença. Foi respeitado um minuto de silêncio em respeito à memória dos serviddores Edith Lima de Albuquerque, Raimunda de Barros Cavalcante, José Vieira da Silva Júnior, Raimunda Itani Carneiro, Francisco Ibianez Rosas Neto e Walter Sobreira Lima Filho, além do ex-deputado Josias Farias.

Em seu discurso na abertura da sessão presencial, Nicolau destacou os trabalhos da Casa Legislativa mesmo durante os momentos mais críticos da pandemia.

“Mesmo com as dificuldades impostas pela pandemia, o trabalho de forma virtual possibilitou o bom desempenho na aprovação de leis com objetivo de tornar mínimo os efeitos da crise sanitária e econômica do Estado. Esta Casa Legislativa não parou em nenhum momento e todas as ações parlamentares e administrativas foram realizadas com êxito. Trabalhamos intensamente. Mais de 400 proposições foram apresentadas”, disse Nicolau.

aleac

O presidente da Aleac destacou ainda que o momento de dor e de dificuldade também serviu de aprendizado para todos. “Tempos de crise são tempos de sofrimento e dor, mas também de transformação e conversão. Essa doença nos lembrou de nossa fragilidade. Diante de uma ameaça invisível e traiçoeira, que pode levar de nossa presença tantos entes queridos, fica na boca o amargo sabor da impotência. Nessa perspectiva, abrem-se caminhos de espiritualidade que devem nos conduzir para fora de nós, para a transcendência e o encontro com Deus”, afirma.

(aleac)